Comunicado de Imprensa
29 March 2005

Degradação de ecossistemas ameaça à saúde humana


GENEBRA e BRASÍLIA – Um novo relatório revela que aproximadamente 60 por cento dos serviços dos ecossistemas que dão suporte à vida na Terra (como água doce, ar puro e estabilidade climática) estão sendo degradados ou usados de maneira não sustentável. No relatório, cientistas que participam da Avaliação Ecossistêmica do Milênio (MA) advertem que as conseqüências prejudiciais dessa deterioração já são sentidas hoje e podem piorar significativamente nos próximos 50 anos.

No relatório de síntese de Avaliação Ecossistêmica do Milênio (MA) publicado hoje, cientistas demonstram que a degradação de ecossistemas pode levar ao aumento da prevalência de diversas doenças como a malária e a cólera e ao surgimento de novas enfermidades. Ecossistemas deteriorados afetam também a capacidade do mundo de alcançar os Objetivos de Desenvolvimentos do Milênio propostos pelas Nações Unidas (ODM).

"Os ecossistemas são os sistemas de manutenção da vida no planeta, são fundamentais para a saúde humana e imprescindíveis ao bem-estar de todas as pessoas em todos os lugares no mundo," disse Dr. Kerstin Leitner, o Assistente do Diretor Geral da OMS para o Desenvolvimento Sustentável e Saúde Ambiental e Membro do Conselho do MA. Os resultados do trabalho elaborado pela Avaliação Ecossistêmica do Milênio (MA) deixam claro como os ecossistemas e a saúde humana estão inter-relacionados. Além disso, destacam o quanto é importante que todas as decisões relacionadas ao desenvolvimento econômico levem em consideração a proteção ambiental, no sentido de salvaguardar a saúde humana. "Uma das conclusões surpreendentes e primordiais dessa avaliação reside na necessidade fundamental de assegurar a sustentabilidade ecológica para proteger os serviços dos ecossistemas e, portanto, proteger a saúde humana a longo prazo”, disse Dr. Carlos Corvalan, consultor da OMS. “Como a saúde é em grande parte resultado dos serviços dos ecossistemas tais como água, alimentos e energia, a redução substancial do consumo e o direito de acesso aos recursos essenciais para as comunidades marginalizadas, trariam grandes benefícios para a saúde humana." O Relatório de Síntese de MA, é o primeiro de uma série de sete sínteses e relatórios resumidos e quatro volumes técnicos que avaliam o estado dos ecossistemas global e seu impacto no bem-estar humano. O estudo começou em 2001 em resposta a um chamado do Secretário Geral das Nações Unidas, Kofi Annan para a ajuda global para o alcance dos Objetivos do Milênio. 1300 especialistas de 95 países participaram voluntariamente do estudo, além dos 900 que trabalharam como revisores e editores.

O endereço eletrônico para o relatório síntese é: http://www.who.int/globalchange/.

Para outras informações, por favor entre em contato com:

[an error occurred while processing this directive]